Avaliação Institucional

Desde 1995 o enfoque da avaliação institucional no ensino de graduação no Univag deu-se de forma contextualizada, procurando mensurar os diversos aspectos institucionais influenciadores nos resultados dos cursos. Assim, de 1995 a 2000 o aprendizado sobre a autoavaliação ensinou evitar análises isoladas, mantendo um processo permanente de avaliação e, cada vez mais, mais abrangente e consistente institucionalmente. Assim, gradativamente, os itens demonstrados nos relatórios das avaliações foram trabalhados em função das perspectivas formativas e de melhor estruturação e funcionamento, visando a qualidade nos serviços prestados.

A formalização pelo MEC ocorreu a partir do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído pela Lei nº 10.861 de 14 de abril de 2004, e no Univag, desde 1995 é entendida como um processo permanente de reflexão sobre as ações desenvolvidas pelo corpo docente, corpo discente e corpo técnico-administrativo, visando a excelência do ensino, o aperfeiçoamento da formação profissional e a melhoria da qualidade dos serviços prestados à comunidade interna e externa.

A Comissão Própria de Avaliação – CPA criada no UNIVAG tem o papel de avaliar com responsabilidade o processo educacional, envolvendo toda a comunidade acadêmica, promovendo um processo de autoconhecimento em todos os segmentos da instituição com base nas dez dimensões exigidas pelo CONAES/INEP, tomando como base também a Avaliação Institucional.

 

 

A Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Univag preparou este espaço no sítio institucional para que a comunidade acadêmica possa saber mais e participar em todos os processos e conforme o calendário anual.

(Fonte: http://portal.inep.gov.br/superior-avaliacao_institucional)

O planejamento das atividades anuais da CPA Univag é formado por discussões e definições sobre as seguintes fases:

1ª fase - Eleição dos critérios a serem avaliados e composição do instrumento de avaliação institucional referente à área técnico-administrativa e pedagógica;

2ª fase - Sensibilização com o corpo docente, discente e técnico-administrativo;

3ª fase - Aplicação da avaliação institucional para coleta de dados, tabulação quantitativa dos resultados obtidos e relatos gestores;

4ª fase - Análise dos resultados, sendo dispostos em quadros demonstrativos;

5ª fase - Compartilha dos resultados com os integrantes do corpo diretivo, técnico-administrativo e docente;

6ª fase - Veiculação dos resultados.