Destaques

01.11.2021 às 11:40hs

UNIVAG é parceiro do projeto desenvolvido pelo Judiciário que leva conscientização à agressores de mulheres

O compromisso social tem sido um elemento essencial no projeto educacional do UNIVAG - Centro Universitário de Várzea Grande, sendo confirmado com o envolvimento da população carente através de atendimento em todas as especialidades do conhecimento. Reforçando sua responsabilidade social, o UNIVAG firma mais uma parceria com o Poder Judiciário de Mato Grosso, através do projeto 'Ser Mais'.

O projeto piloto trabalha a conscientização de homens que respondem por crimes de violência doméstica contra mulheres, agressões definidas na Lei Maria da Penha (11.340/06). Os agressores são encaminhados pela Vara de Violência Doméstica para encontros semanais no Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ/UNIVAG) com uma equipe multidisciplinar do Centro Universitário, por meio dos cursos de Psicologia, Direito e Assistência Social.

A concepção de responsabilidade social e a interação com a construção do projeto educacional tem sido destaque na atuação do UNIVAG. “É um privilégio estar abrindo as portas, mais uma vez, para um convênio com o Judiciário. Entendemos este projeto como extremamente importante para todos aqueles que venham a sofrer ou provocar este tipo de violência. É importantíssimo o atendimento à mãe, à criança, à família que é vítima, mas é importante a orientação ao agressor, para que a ação não seja repetida, que ele não dê continuidade a esse comportamento. Eu parabenizo o Poder Judiciário por esse trabalho”, ressaltou o reitor do UNIVAG, Drauzio Medeiros.

A presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), desembargadora Maria Helena Gargaglione Póvoas, que tem como uma das prioridades de gestão o combate à violência contra a mulher, declarou estar entusiasmada com o projeto e que quer expandi-lo para todo Mato Grosso, além de apresentá-lo para outros estados em um congresso sobre o tema do qual irá participar. A magistrada enalteceu a parceria com o UNIVAG. "O UNIVAG presta relevantes serviços para a sociedade há um bom tempo e venho acompanhando todo esse trabalho. Agora o poder judiciário se sente honrado em fazer parte desse projeto com a parceria do UNIVAG. Será uma honra se pudermos estender o projeto para o campus de Cuiabá. O poder judiciário estará sempre buscando parcerias nesse sentido. O UNIVAG está de parabéns nos atendimentos à sociedade, para além da educação", agradeceu.

Neste primeiro momento, dez homens participam do projeto, que consiste em seis encontros no NPJ/UNIVAG. Desse total, três já foram realizados. Os encontros se dão por meio de oficinas reflexivas, rodas de conversa e palestras seguidas de debates com profissionais especializados em assuntos de interesse do grupo. Os estagiários do curso de Direito orientam os homens sobre seus processos e como eles terão que atuar, posteriormente, no decorrer da medida.

"Um projeto desses é fenomenal para o curso de Direito, dentro da prática jurídica, porque é uma área de violência doméstica. É muito específica. Então os advogados que atuam nessa área têm que ter conhecimento da Lei Maria da Penha e saber direcionar seu cliente na forma que a lei estabelece. Os alunos do NPJ têm a possibilidade de saber mais sobre como atuar com seu cliente perante uma situação dessas", afirmou o coordenador do NPJ/UNIVAG professor MSC. Afonso Winter Junior.

A coordenadora do projeto, juíza Glenda Moreira Borges, conta que a ideia é que o Ser Mais seja expandido até que a participação dos homens aconteça de forma voluntária. “A ideia é expandir de uma forma que sejam criados grupos voluntários, porque hoje a presença é imposta nas decisões judiciais. A receptividade dos homens tem sido excepcional. Queremos fazer grupos reflexivos voluntários. As reuniões são o único momento que eles têm para refletir, para reverem suas atitudes, pensarem e aprenderem com a experiência do outro e com suas próprias”, disse.

Um dos participantes do projeto, K.M.L., destacou que os encontros estão proporcionando a reflexão, o escutar e compartilhar vivências.

“Na primeira sessão achei um tédio, mas da segunda em diante já comecei a me envolver mais. Os homens começaram a falar mais, compartilhar sua vivência. Fomos recebendo informações. A terceira sessão já foi espetacular, com informações jurídicas, direitos, deveres. Todos já se sentem à vontade agora”, relatou.

O lançamento do projeto 'Ser Mais', realizado no UNIVAG dia 26 de outubro, contou com a presença da juíza da 1ª Vara de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Cuiabá, Ana Graziela Vaz de Campos Corrêa - que no evento esteve representando a presidente da Coordenadoria Estadual da Mulher (Cemulher), desembargadora Maria Aparecida Ribeiro, da primeira dama do município de Várzea Grande e promotora de Justiça, Kika Dôrileo Kalil, da secretaria de Assistência Social de Várzea Grande, Ana Cristina Vieira, além de representantes do Ministério Público Estadual (MPE), da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e de coordenadores e professores dos cursos de Direito, Assistência Social e Psicologia do UNIVAG

Autor: Patricia Xavier
Fonte: Assessoria UNIVAG